11 outubro, 2010

Histórias da Daninha - Piscina Regan

Toda criança deveria ter direito a ter uma piscina na infância. Não importa o material, o tamanho, o modelo... O que importa é que caiba água e uma (ou mais) criança(s) dentro dela.

Quando eram crianças a Daninha e seus irmãos costumavam pegar emprestados os baldes e bacias da mamãe pra encherem de água e se refrescarem em dias de verão. As crianças entravam nas bacias, se molhavam, e os bonequinhos do He-Man e as Barbies nadavam nos baldes, pois brinquedo também é filho de Deus e sente calor, é claro!

Acho que de tanto ver os filhinhos brincarem com os baldes o papai da Daninha um belo dia resolveu comprar uma piscina Regan pra eles. Era verão, as crianças estavam de férias. Só que o papai chegou em casa já de noite, pois havia trabalhado o dia todo. Quando ele mostrou o presente, a criançada não se conteve. Tiveram que montar a piscina no mesmo dia (ou noite)! E já estavam indo vestir biquínis e sunga quando mamãe mostrou que a mangueira estava enchendo a piscina muito devagar, que ia demorar muito e só ia ficar pronta no dia seguinte. Mas se eles dormissem logo iam acordar logo, e poderiam nadar o dia seguinte todo!

E assim foi, eles foram dormir e com certeza tiveram sonhos com piscinas e mangueiras...

No dia seguinte cedinho acordaram, foram lá checar a piscina, e era verdade, ela estava cheinha de água limpinha e fresquinha! Trocaram de roupa, tomaram café e correram pro quintal se esbaldar na água. E assim passaram o dia! E o seguinte. E o seguinte. E muitos outros dias da infância deles.

A piscina foi muito bem aproveitada pela Daninha e seus irmãos por alguns anos. Primeiro as crianças aproveitavam a água limpinha, por uma semana, mais ou menos. Quando a água ia ficando suja, era a vez das tartaruguinhas aquáticas Lolo e Teodoro (lembram delas, as tartarugas ninja?) morarem na piscina por mais uns dias. As crianças colocavam pedras dentro da água pra que elas pudessem subir, e algumas plantas também, e curtiam ver as tartarugas nadando em águas profundas (aham). Mas chegava o dia em que nem as tartarugas aguentavam mais a água suja, então era hora de lavar a piscina muito bem! Eles esvaziavam ela, e munidos de vassoura, esponja, escova e sabão lavavam a piscina bem lavadinha. E claro, esse processo era uma farra também! Mas antes de encher a piscina com água novamente era a vez de brincar com ela vazia mesmo. Por alguns dias a piscina virava um barco mágico. Eles colocavam uma cabaninha de índio que o irmão da Daninha tinha dentro da piscina e passavam o dia tentando decorar o barco, deixá-lo aconchegante com cobertores e travesseiros... Ah, e jogos, claro, porque o que eles iam ficar fazendo em alto mar? E comida e bebida também, como bolachas, suco, bolo, salgadinho... E no final do dia, o barco estava pronto para a grande aventura, faltava só o último tripulante: a cadelinha Lili. Mas a lili era meio suicida, eles colocavam ela no barco pra ela não se afogar, e a danada pulava pra fora. Eles salvavam ela de novo, e ela insistia em abandonar a embarcação. Aí não tinha jeito, só restava à Lili virar um feroz monstro do mar, ou no mínimo uma baleia, ou coisa assim.

Com tanta brincadeira a pobre piscina passou por vários remendos ao longo dos anos. Mas foi um dos brinquedos mais aproveitados na casa da Daninha. E ficou marcada nas lembranças daquelas crianças pra sempre.

4 comentários:

Dri disse...

Puxa, que delícia de história!
Eu nunca tive uma piscina dessas, mas brinquei nas dos meus amiguinhos. A minha sobrinha ganhou uma e lá foi a "tia veia" curtir a piscina, lógico! hehhe
Gotei da história da cabaninha. Eu e meu irmão sempre fazíamos em casa com colchão e lençóis. Era bem legaaaaallll.
Ah!!! Não posso deixar de contar que eu fazia o aniversário das bonecas com direito a bolo e guaraná. E ainda esperava meu pai chegar em casa pra poder cantar os parabéns, tem até foto, tenho de trazê-la.

Je disse...

Gostei dessa historinha da Daninha...
Como morava em prédio a diversão era ir na laja do primeiro andar e fica rla, brincando, tomando sol e esperando a vizinha do 3º anda jogar água na gente (que pobre hahah). Era muito divertido!

Bi disse...

Que delícia de história!

Eu também tinha uma piscina quando era pequena, mas geralmente a aproveitava sozinha (na companhia das bonecas, é claro), porque meus irmãos já eram adolescentes e achavam aquilo muito... digamos assim... infantil! rs
Então eu aproveitei muito, a piscina era só minha e por vezes os amiguinhos a dividiam comigo...
No verão passado comprei uma piscina pro meu pequeno. Ahhhh como ele adorou! Tomou muito caldo e sol também, e agora que o frio está chegando, comprei bolinhas pra ele brincar na piscina também... e ótimo, 1001 utilidades! rs

=)

Bruno disse...

Juro que antes de comentar eu pensei "que delícia de história". Aí abri a caixa de comentário e vi que todo mundo já disse isso, hahaha

Mas digo do mesmo jeito: que delícia de história!