30 setembro, 2010

Um dia de fúria

Na sexta-feira passada eu almocei macarrão. E de tarde comi uma maçã. E no fim do dia eu estava com fome e já não estava tão bem humorada por conta de uma péssima notícia que eu havia recebido.

E fui embora do trabalho tomando uma chuvinha até o ponto de ônibus (que é longe).

Entrei no ônibus, me ajeitei lá na frente, que é onde eu sempre fico pra evitar a muvuca maior do meião. Estou eu lá, chateada, me equilibrando no meio da galera, quando de repente eu sinto um cheiro muito bom. Nossa, um cheiro do que mesmo? Não sei, só sei que é bom! E que me deu fome! Puts, parece cheiro de salgado. Será que alguém entrou com sfihas no ônibus? Ou será salgadinho? Mas só tem um salgadinho que cheira longe assim, o Cheetos de queijo, e esse tem cheiro de chulé, eu detesto!

Eis que de repente eu encontro a origem do delicioso cheiro! Duas moças estavam atrás de mim com uma lata de batata Pringles sabor churrasco (meu preferido) aberta, comendo e conversando. Puts! Minha barriga roncou. O trânsito estava lento, e tudo o que eu queria era sair logo dali, chegar em casa e comer! Muito! Eu não conseguia desviar minha atenção da batata das moças. Duas moças baixinhas, uma loira e uma morena. E estavam tão felizes, conversando e comendo!

Calma, Dani, pensa em qualquer outra coisa! Não, esquece a péssima notícia, pensa em outra coisa!

batatabatatabatatabatatabatatabatatabatatabatatabatatabatatabatata

Tá, não consigo, será que se eu pedir uma batata pra moça ela me dá? Claro, tem que dar, porque entrar no ônibus comendo minha batata preferida e não oferecer já é falta de educação, imagina recusar?

Enfim, tomei coragem.

- Moça, desculpe, eu senti o cheiro da batata e não resisti, será que posso te pedir pra me dar uma?

- O que, que guria abusada! Tá louca? Vai comprar!

Nãããããão, essa baixinha não me disse isso!

- Puxa, como você é mal educada, hein? Credo! – eu respondi.

- Posso ser mal educada, mas tenho batata! – disse ela dando um sorrisinho.

E eu não agüentei. Aquilo me deu tanta raiva que eu resolvi arrancar a lata de batata da mão dela e disse:

- Ah, é? Pois agora não tem mais! - e comecei a comer.

- Sua loira lambisgóia, devolve a minha batata!

E começamos a nos engalfinhar. Enquanto eu tentava dar um sopapo nela, eu dava um jeito de comer uma batata. Dava um chute, e comia mais uma batata. Levava um puxão de cabelo, e mais uma batata! A amiga dela só gritava pras pessoas acudirem, e a gente lá, lutando. Depois de muita briga o ônibus chegou no terminal e, a pedidos insistentes da amiga dela, a briga acabou. As pessoas bateram palmas, gritaram algumas coisas que eu não entendi, e começaram a sair do ônibus. Eu devolvi a lata vazia pra moça e ela foi embora, xingando até a minha décima geração. E eu fiquei satisfeita, comi as batatas que eu queria e ainda dei uma lição na mal-educada.

E essa história toda só foi verdade até antes do – Enfim, tomei coragem. Quem me conhece sabe que eu nunca teria coragem, nem de pedir a batata, muito menos de me engalfinhar com uma desconhecida dentro do ônibus. Mas juro que essa situação toda passou pela minha cabeça, tamanha foi a vontade de comer Pringles de churrasco. E eu resolvi contar isso aqui no blog pra vocês se lembrarem de nunca entrarem no ônibus comendo uma coisa gostosa sem oferecer pras pessoas. Vai que vocês encontram uma pessoa menos equilibrada (hahaha) do que eu...

8 comentários:

Je disse...

Mas credo q susto q levei achei que a Dani tinha pirado completamente..hahah
Uma vez estava no ônibus e senti um cheiro e não conseguia saber do que era, fique o percurso inteiro tentando descobrir. Era cheiro da infância sabe?
Quando, quase no final eu descobri, a senhora na minha frente estava com uma sacola da Casa di Frango. Eu sempre ia lá quando criança, comer aquele frango com aquela casquinha hummmm...

Bi disse...

Dani!!!!

Quando li que você tomou coragem de pedir a batata eu juro que pensei que você estava relatando um sonho, porque isso seria IMPOSSÍVEL, e olha que nem te conheço tão bem assim, hein?! Hehehehe...

Mas ninguém merece mesmo sair do trabalho com o estômago nas costas e sentir cheiros gostosos por aí, principalmente se for no ônibus!

Um cheiro que me deixa com fome é o de pão de queijo... ai... só de falar já deu fome... vou ali comer alguma coisa... rsrsrs

Beijão!

Magnum Opus disse...

Ah bom Dani, pensei que vc tinha pirado na batata! Putz isso me lembra a época do cursinho quando ia pro ponto do busão lá pelas 18h e todo dia eu sentia o cheiro de pipoca com bacon... pior que eu nunca parei pra comprar um pacote...

Dri disse...

Quando eu li o título deste post me identifiquei tanto!

Essa semana fiquei putiada, e hoje então... levei um par de sapatilha de couro apenas para colocar sola, pois o couro estava bem lindo, desbotadinho, um charme. Cheguei lá o cara "passei um produto para reavivar o couro" Porra! Eu não pedi! E ainda por cima manchou um pouco da beiradinha da sola... DETESTEI.
Que ódio, que vontade de jogar as sspatilhas na cara dele.

Nem fiz nada, só balbuciei um "mas...", paguei e saí com a cara de cu.

Desculpem-me pelo palavriado. Mas está muito foda.

Bi disse...

Hahahaha...

Não sei se rio mais com o post ou com o comentário da Dri! rsrsrs

Caaaaaaaaaaaaaaaaaaalma...
Esses hormônios... ai ai ai...

=P

Eliane Felisbino disse...

Dani, quando você quiser é só pegar o Potato chips que tenho na minha mesa (para aquelas horas de fome desesperadora)...rs...vai que um dia o seu dia de fúria saia do papel.

Raphael disse...

Eita, você conseguiu assustar todo mundo Dani! rs

Anônimo disse...

http://achatcialisgenerique.lo.gs/ cialis sans ordonnance
http://commandercialisfer.lo.gs/ vente cialis
http://prezzocialisgenericoit.net/ cialis farmaco per impotenza
http://preciocialisgenericoespana.net/ cialis